Odense investe fortemente em grandes eventos e atividades, que entre outras coisas, darão mais vida e mais pessoas no centro da cidade. Pode ser difícil obter uma visão precisa do efeito, razão pela qual o município em agosto de 2016 colocou sensores no centro, que podem detectar o número de pessoas.

Agora, mais três sensores estão sendo configurados, o que significa números mais precisos que podem dizer algo sobre o uso da cidade pelas pessoas.

– Investimos dinheiro quando apoiamos grandes eventos, e é por isso que também é importante medir o efeito. Os sensores fornecem uma visão geral do nível de atividade em vários locais do centro da cidade 24 horas por dia, 365 dias por ano, o que é uma base de conhecimento importante para o município, mas é claro, também para os organizadores, diz Morten Møller Iversen, Chefe de Política e Estratégia na Administração de Cidades e Cultura.

H.C. Os Andersen Festivals será o primeiro grande evento em que os três novos sensores entrarão em jogo, e isso significa que o festival terá a oportunidade de qualificar o número, quando o total de participantes for estabelecido, conforme meta do diretor do festival, Peter Bøgholm.

– Trabalhamos desde o início do festival para coletar dados sobre o número de frequentadores do festival e como eles se movem na paisagem urbana. É por isso que estou muito satisfeito que, em colaboração com o município de Odense, agora podemos aprimorar esse esforço, para continuar a desenvolver o festival para o benefício de todos os nossos convidados, com base em uma base de dados ainda mais forte, diz Peter Bøgholm.

A longo prazo, o conhecimento do uso do centro também pode fornecer um melhor serviço aos cidadãos. Se for criada uma visão geral de onde e quando há mais pressão na cidade, os recursos de limpeza podem ser usados ​​com eficiência. Também podemos oferecer a oportunidade de configurar o chamado inventário de espaço urbano – por exemplo, bancos – nos lugares certos. Disponível no futuro, podem haver oportunidades em potencial.

Os sensores funcionam detectando quando uma pessoa cruza um ponto selecionado. Eles só podem ser usados ​​para obter conhecimento do número de pessoas em um determinado momento e nenhuma imagem ou outra informação é armazenada. Os sensores não podem, portanto, dizer nada sobre quem passou ou o que eles fizeram.

A administração da prefeitura e da cultura foram os responsáveis ​​pelo projeto com os sensores, todos planejados e posicionados em áreas estratégicas para contar os pedestres.

Informações de Contato
Morten Møller Iversen, Chefe de Gabinete de Política e Estratégia, tel .: 23 41 46 25
Peter Bøgholm, diretor de H.C. Festivais de Andersen, tel: 40 54 22 32
Anders Drejer Lønbæk, chefe de efeito e análise, BMF, tel .: 20 41 52 30